15 de agosto de 2011

Subida da Serra do Corvo Branco

Mais aventuras da Graxaim Ecoturismo com seu veículo! Sol, estrada e montanha!
Subida dos 700 m. da Serra do Corvo Branco até o maior corte em rocha do sul do Brasil (90 m).

13 de agosto de 2011

7 de agosto de 2011

Neve em 2011

O romantismo da nevasca do ano passado acirrou os ânimos de todos para esse inverno de 2011. Começamos a estação com expectativa de três nevascas, segundo especialistas. Olhos fixados nas previsões do tempo... sabemos como são essas coisas. Gráficos, desenhos e imagens por satélites são parte do sonho frustrado de muita gente.
Mas enfim, ela chegou. E, ao contrário do ano passado, chegou no final de semana e satisfez o sonho daqueles que não puderam se deslocar em plena quarta-feira rotineira, em agosto de 2010. Ano passado, reclusos em escritórios frios, muitos estavam a poucos quilômetros da neve e não puderam estar lá. Até porque o movimento e o risco de acidentes, principalmente por causa do gelo na pista, aumentaram. Mas isso é passado, ano passado.

A neve de agosto do ano passado no Morro da Igreja. Nevou muito na quarta e quinta e chegou a acumular 40 cm em alguns pontos. A cidade lotou e no sábado ainda era possível encontrar um restinho de neve na serra.

Nesse ano, em 26 de junho, eis que ela chegou na noite de um domingo. E lá fomos nós, dar boas vidas àquela que representa a estação fria no mundo todo, mesmo em locais onde nunca jamais nevará!

A neve do dia 26 de julho começou a cair por volta das 20h nas regiões mais altas, como entre Urubici e São Joaquim

Neve no Parque Nacional de São Joaquim. Nesse dia, nevou nos pontos de maior altitude, em Urubici. Também nevou em alguns municípios vizinhos e na Serra Gaúcha.

Paisagem bucólica: neve acumulada na manhã do dia 27 de junho. Foto de Canto do Sabiá

As férias escolares de julho chegaram e muita gente aproveitou para subir a serra e tentar ver a neve, lotando as pousadas da região. Na primeira semana do mês, o frio veio tão forte que bateu o recorde de dias consecutivos com temperaturas negativas. A mínima chegou a - 5º C e a sensação térmica no Morro da Igreja era de - 27º C.
Mas as semanas que se seguiram foram diferentes.
A neve não apareceu, bardosa que só, frustrando muita gente. O frio também veio tímido. A chuva não! Não esfriou tanto e choveu muito! Meninices da Natureza! Ela é que sabe do que precisa!
Mas agosto é outra história. Coincidindo com 2010, o agosto de 2011 também foi de surpresas. Terça-feira, dia 2, a neve reapareceu. Tímida, mas veio. Chegou devagar... apareceu, desapareceu. Apareceu de novo e fez a felicidade de muita gente.

Vista da Pedra Furada no Morro da Igreja/ SINDACTA. Foto de Canto do Sabiá

Sincelo nos arbustos do Morro da Igreja. Foto de Canto do Sabiá

A neve não acumulou no Morro da Igreja por causa do vento. Nos primeiros raios de sol, a água derretida, escorrida pela estrada, virou gelo na pista por causa do frio intenso. Mau sinal para os veículos. Foto de Canto do Sabiá

A felicidade... até adulto vira criança. Nosso amigo Fernando (A Taberna Bistrô) aproveitando para praticar Snowboard. Foto de Canto do Sabiá

Sincelo na vegetação. Lindas imagens clicadas pelo Canto do Sabiá

Na verdade, o vento que veio juntamente com essa massa de ar não foi fácil. Insistiu por muitos dias. Dizem alguns que a porta do carro não abria e que, provavelmente, o anemômetro do Morro da Igreja deve ter sido levado pelo ar, já que dia 3 a velocidade do vento estava zerada. Impossível!
Urupema até ficou sem energia... Foi vento, frio e mais frio, chuva congelada, sincelo, neve e, claro, muita gente subindo a serra. Principalmente em São Joaquim, onde a neve geralmente aparece em plena praça principal. Dizem que até nevou em Lages por cinco minutos...
Enfim, aventuras e muitas fotos legais.
Agora esperamos a próxima! Não eram pelo menos três nevascas? Vamos continuar com os olhos fixos na previsão!
Valeu!

26 de julho de 2011

Subindo o Morro do Campestre

Olá pessoal.

Este video foi feito com o nosso novo brinquedinho. Uma câmera de video HD conhecida como GoPro.
Ela é própria para fazer imagens de aventuras e muito usada em esportes radicais. No nosso caso, montei-a na base do guincho da camionete.
As imagens ficaram fantásticas. A edição é da Graxyella. rsrsrsrsrs

Confiram.

16 de julho de 2011

Sejam bem vindos à Graxaim Ecoturismo e Aventura!

É com alegria que, nessa semana, inauguramos a nossa sede em Urubici. A Graxaim opera na Serra Catarinense desde 2008 e, após muito tempo organizando passeios e trekkings via e-mail e telefone, abriu as portas físicas de sua agência. Aventura e Ecoturismo continuam sendo as propostas da empresa que agora se localiza na Av. Adolfo Konder, 2386, B. Esquina, Urubici.
Então, damos as boas vindas aos turistas que, nessa temporada de inverno em 2011, terão a chance de aproveitar com segurança e bom atendimento os pontos turísticos e as caminhadas dessa região tão cheia de encantos, belezas e oportunidades de aventura.

6 de junho de 2011

31 de maio de 2011

29 de maio de 2011

Semana do Ecoturismo de Urubici - abertura e primeiras atividades


Foi no Dia da Mata Atlântica, 27 de maio, que o Parque Nacional de São Joaquim escolheu para começar a comemorar seu aniversário de 50 anos. Juntamente com a 1.ª Semana do Ecoturismo de Urubici, o parque organizou um superevento e cedeu seu rico território para que aventureiros de vários cantos do Brasil pudessem usufruir de suas riquezas.
Na última sexta, no Centro Comunitário da Igreja do bairro Esquina, ocorreu a abertura da 1.ª Semana do Ecoturismo de Urubici e os 50 anos do Parque Nacional de São Joaquim! Nessa ocasião, após as palavras de um dos idealizadores, Sérgio Sachet Júnior, o prefeito de Urubici Adilson Costa fez a abertura oficial exaltando a importância do evento que tanto foi esperado na Serra Catarinense.

Juroce da Oficina de Reciclagem (ao centro) e coordenadores (direita para a esquerda) José Marcos, Débora, Juan, Gisele, Michel, Sérgio "Graxaim" e Marcelo "Sabiá"
Na sequência, os participantes puderam se deliciar com um coquetel. No local, expositores tiveram a oportunidade de apresentar suas produções. Foram montados os stand's da Associação Catarinense das RPPN's, do Parque Nacional de São Joaquim, do grupo de artesãos urubicienses A LUA, da artista plástica Nita, da Erva-Mate Urubici. Além disso, o centro reservou um espaço para a Oficina de Reciclagem e para as sessões do CineMontanha. As atividades no centro de eventos continuam até o final da Semana do Ecoturismo.





No sábado, as duas primeiras atividades aconteceram: Cicloturismo e Vôo Livre.
O grupo da bike estava formado com 50 participantes, aproximadamente. Enfrentando o frio da manhã - 1 grau -, após carregarem um caminhão com as bikes, os participantes seguiram para o local de saída do cicloturismo na  Igreja Matriz de Bom Jardim da Serra, animados no ônibus por um dos guias e idealizadores José Marcos Barreto. Após o alongamento, a aventura começou e terminou com as bençãos de São Pedro, que proporcionou para os aventureiros um sol e um céu azul especial.









fotos bike: Iole Dahmer

O Vôo Livre aconteceu de forma limitada porque, como todos os voadores já sabem, as condições climáticas precisam ser favoráveis. E elas não foram. Por isso, os pilotos participantes fizeram poucos vôos do Morro do Baú. Mesmo assim, a curtição aconteceu!
Durante a tarde do sábado ocorreu a Oficina de Reciclagem com a professora Juroce e, no início da noite, começaram as primeiras sessões do CineMontanha.

Oficina de Reciclagem

E o que o evento tem a ver com o Dia da Mata Atlântica? A área do Parque Nacional de São Joaquim está nos domínios da Mata Atlântica, onde se alternam os Campos Gerais, as Matas de Araucárias - que se desenvolvem entre 500 e 1.200 metros de altitude - e a Floresta Pluvial Subtropical que ocupa o fundo dos vales. A espécie mais comumente observada é o Pinheiro-do-Paraná (araucaria angustifolia) que, embora seja a árvore de maior ocorrência e símbolo da floresta ombrófila mista, divide espaço com espécies que fazem parte do ecossistema e também ameaçadas de extinção: a Canela-lajeana, a Canela-preta, a Caraguatá e a Imbuia.
Nas bordas da Serra, acima dos 1.200 metros, a vegetação recebe o nome de mata nebular, devido à ocorrência de névoas e apresenta espécies endêmicas como a Goiabinha-do-campo e São-joão-miúdo. Há ainda as matas ciliares, que se desenvolvem ao longo das margens dos rios, onde encontramos exemplares de Guamirim, Murta, Congonha, Branquilho e Cambuí, espécies arbóreas mais comuns.
Na região do parque encontramos espécies ameaçadas como a suçuarana, conhecida pelos moradores como leão-baio. Outros animais que habitam o local são os caxinguelês, cachorros-do-mato (graxains), catetos, tamanduás-mirins e pacas, estas que ficam sob as copas dos pinheirais. Entre as aves, as espécies mais comuns são as perdizes, codornas, curicacas e agralhas-azuis, que se alimentam do pinhão, o fruto do Pinheiro-do-Paraná.

Para testar o seu conhecimento sobre a Mata Atlântica, a WWF-Brasil organizou um quiz que oferece informações preciosas sobre o bioma e soma esforços para a conservação da biodiversidade, manutenção da qualidade e integridade dos recursos hídricos e dos solos. O jogo também pode ser uma ferramenta didática para jovens e adultos ensinarem valores de preservação às crianças. Então, compartilhe com sua família, amigos, vizinhos, professores... Para jogar, entre no link: http://mataatlantica.wwf.org.br/mataemjogo/#/intro

As atividades do evento continuam durante a semana. No próximo sábado, teremos mais duas atividades do Ecoturismo: trekking e cavalgada. Aguardem! http://www.semanaecoturismourubici.com.br/index.html

24 de maio de 2011

Dia Mundial da Biodiversidade - 22 de maio

"A ignorância gera mais frequentemente confiança do que o conhecimento: são os que sabem pouco, e não aqueles que sabem muito, que afirmam de uma forma tão categórica que este ou aquele problema nunca será resolvido pela ciência".
Charles Darwin

A imagem acima foi escolhida porque ela é impactante! Ela foi construída a partir de um retrato original de Darwin de 1881 e pertence aos cartazes da exposição dedicada ao cientista no Museu de História Natural de Londres. Os artistas que a produziram retocaram o fundo, as roupas e alguns detalhes. Incluíram a mão para transmitir o impacto que esse homem trouxe para a época e acrecentaram a seguinte reflexão: "Se tivesse uma ideia capaz de sacudir a sociedade, guardaria para você mesmo?".
Como era um cientista polêmico, se hoje ainda ele existisse entre nós, talvez estivesse se ocupando em pesquisar muitos problemas. No Brasil, estaria opinando sobre as discussões acerca do novo Código Florestal Brasileiro, sobre a exploração da Floresta Amazônica, sobre a preservação das Araucárias ou a transposição do rio São Francisco. Em qualquer lugar do mundo, estaria discutindo sobre o aumento do nível do mar, o aquecimento global acelerado pela ação humana, a emissão de CO2 na atmosfera, o melhor aproveitamento dos recursos minerais e da água ou uso sustentável das florestas. Não sabemos!
Charles Darwin, com a frase que inicia nossa postagem, resume tudo o que cientistas como ele e pessoas leigas como nós precisamos entender. Diante dos inúmeros problemas ambientais da atualidade, o conhecimento sobre o nosso meio é o que nos levará à sua preservação. Foi pelo conhecimento que ele, com todo o seu rigor científico, contribuiu com uma das mais geniais teorias da história da ciência: a origem das espécies!
Homenageando esse incrível homem é que deixamos nossa contribuição para o Dia Mundial da Biodiversidade, comemorado do último domingo, dia 22. Inicialmente esta data era celebrada no dia 29 de dezembro, quando foi criada pelas Nações Unidas em 1993. No ano de 2000 a data foi alterada e desde então, é comemorada no dia 22 de maio. Embora tenhamos a notícia que o ritmo atual de perda de espécies é estimado em mais de 100 vezes o ritmo de extinção natural, deixamos arquivadas as imagens das 20 novas espécies descobertas nos últimos 20 anos pelos cientistas. Se não as conhecêssemos, nunca teríamos a oportunidade de estudar a sua preservação. Salve Darwin, o estudioso que ficaria boquiaberto com as últimas notícias sobre Biodiversidade!
Nome popular: “gafanhoto-pavão”/ Nome científico: Pterochroza ocellata/ Local: Guiana

Nome popular: “libélula”/ Nome científico: Platycypha eliseva/ Local: República Democrática do Congo

Nome popular: “salamandra ET"/ Nome científico: Bolitoglossa/ Local: Equador

Nome popular: “formiga-anzol”/ Nome científico: Polyrachis/ Local: Camboja

Nome popular: “gafanhoto RAP”/ Nome científico: Brachyamytta rapidoaestima/ Local: Gana e Guiné

Nome popular: “rato-chinchila-arborícola”/ Nome científico: Cuscomys ashaninka / Local: Peru

Nome popular: “tubarão que anda”/ Nome científico: Hemiscyllium galei/ Local: Indonésia

Nome popular: “ave-papa-mel-de-barba-cinzenta”/ Nome científico: Melipotes carolae/ Local: Indonésia (Nova Guiné Ocidental)

Nome popular: “rã-pinóquio"/ Nome científico: Litoria/ Local: Papua-Nova Guiné

Nome popular: “gola malimbe”/ Nome científico: Malimbus ballmanni/ Local: Guiné

Nome popular: “grande-rã-verde-arborícola”/ Nome científico: Nyctimystes/ Local: Papua-Nova Guiné

Nome popular: “escorpião imperador”/ Nome científico: Pandinus imperator/ Local: Gana

Nome popular: “flasher wrasse”/ Nome científico: Paracheilinus nursalim/ Local: Indonésia

Nome popular: “bagre com boca de ventosa”/ Nome científico: Pseudancistrus kwinti/ Local: Suriname

Nome popular: “aranha-dinossauro”/ Nome científico: Ricinoides atewa/ Local: Gana

Nome popular: “barata da Conservação Internacional”/ Nome científico: Simandoa conserfariam/ Local: Guiné
 
Nome popular: “formiga-tigresa”/ Nome científico: Strumigenys tigris/ Local: Papua-Nova Guiné
 
Nome popular: “aranha-golias-comedora-de-pássaro”/ Nome científico: Theraphosa blondi/ Local: Guiana


Nome popular: “lagartixa-satânica-de-cauda-de-folha”/ Nome científico: Uroplatus phantasticus/ Local: Madagascar

Nome popular: “morcego Yoda” (morcego de nariz de tubo)/ Nome científico: Nyctimene/ Local: Papua-Nova Guiné
Fonte 1:
Fonte 2:
Fonte 3: